Páginas Salteadas | Sopa O Poço das Afogadas


"Neste trabalho queria começar não com os afogamentos, mas com a natação. Porque é assim que isto principia: com as bruxas a nadarem - o tormento da água. Ali, no meu poço, esse lugar de beleza pacífica, foi onde as trouxeram e as ataram e as atiraram ao rio, para se afundarem ou nadarem.

Há quem diga que as mulheres deixaram algo de si próprias na água; há quem diga que esta conserva o seu poder, porque, desde então, tem atraído para as suas margens as desafortunadas, as desesperadas, as infelizes, as perdidas. Vêm até cá para nadarem com as suas irmãs."

No Spotify tocava Down By The Water, de PJ Harvey, seguida de Where The Wild Roses Grow, de Nick Cave & Kylie Minogue. Nesse momento, o Gonçalo disse-me: "O novo livro da Paula Hawkins, que a Sílvia te ofereceu no teu aniversário e que está autografado pela autora, não é o mote do 'Páginas Salteadas' de novembro? Se o título é Escrito na Água e se há mortes num rio, porque não experimentamos fazer uma sopa pantanosa com massa de letras?" Bang bang!

À semelhança de A Rapariga no Comboio, o novo thriller psicológico desta ex-jornalista do Zimbabué tem um guião de correntes letais e complexas. Neste puzzle de 11 narradores (o número da minha vida), as suspeitas, as desconfianças, as mentiras e as incertezas desaguam em direções opostas, mas todas têm o mesmo caudal, "O Poço das Afogadas". Ainda mais sinistro, tenebroso e perigoso que o livro mais vendido de 2015 , esta obra narra a história de Nel, a protagonista que se "suicida" nas águas do rio que são o seu objeto de investigação, qual Ofélia de Shakespeare, retratada na pintura de John Everett Millais.

Inspirados pela trama intrincada e de atmosfera densa, decidimos criar um território sobrenatural.  

Sopa O Poço das Afogadas
[Serve 8 pessoas ou várias refeições]

Ingredientes
Uma cebola grande
3 dentes de alho
Sal q.b.
Água de Monchique
Azeite biológico
Espinafres biológicos
2 courgettes

Ao jeitinho do Ninho do Vento
Juntar todos os ingredientes numa panela e colocar ao lume, até todos os ingredientes ficarem cozidos. De seguida, peguem na varinha mágica e triturem o preparado, até obterem um creme verde, lamacento e lodoso. À parte cozam uma massa de letras, que deverão adicionar à vossa sopa mísitca, envolvendo-a em escuridão e em mistério. 

Acompanhem as receitas das restantes bloggers do projeto Páginas Salteadas:
Catarina Sousa, Joan of July
Vânia Duarte, Lolly Taste
Andreia Moita, Andreia Moita Blog

Sem comentários:

Enviar um comentário

Instagram